Fotografia em Palavras

visões sobre a prática fotográfica, por Ivan de Almeida

Antes, Fotografia. Agora, parte do mingau.

with 5 comments

Antes, Fotografia. Agora, parte do mingau.

Ivan de Almeida Junqueira

17 de janeiro de 1012

As imagens, antes poucas e por isso cada uma chamando a atenção de quem a via, hoje são o ambiente de viver. Ninguém presta tanta atenção ao ambiente costumeiro…

3A4V1491 copy

Os olhos do mundo são as cãmeras diversas, as de fotografia, as das televisões, as dos os telefones que filmam ou fotografam.

De repente, esses olhos deixaram de ser uma luta para lidar com o campo do olhar, das representações com ele algo relacionadas e buscadas, e passaram a ser o olhar oficial do ser humano, da humanidade. O mundo é assim, é a afirmação contida em tudo isso.

De repente, as descrições idealizadas, ou reforçadamente ruins, ou reforçadamente boas, ou repetindo estruturas de captura fotográfica como a infinidade de mares e águas lisas desenhadas pela longa exposição, que há cinco anos maravilhavamquem as achava na rede e agora enjoam e por aí vai.

Porque agora as descrições fotográficas não mais são coisas novas, as mesmas que foram novas antes no mundo digitqal,  hoje são repetições. Porque a linguagem de imagens na época dos filmes antes tinha algo de exceção, de mais raras no mundo e hoje é banal, banal no tosco mas também banal no esteticamente desenvolvido na corrente principal. O hoje diferente um pouco amanhã é banal.

E não há corrente privada. A corrente privada pode ser aquilo que só ao fotógrafo interessa, a família, as pessoas conhecidas, porque esse mundo da imagens paradoxalmente não abraça as pessoas, todas aquelas que são mostradas são idealizações, positivas e negativas. São mostradas quando se encaixam no mostrar tido como o normal, mas esse normal não é nada mais que uma visão padronizada.

Hoje, depois de ter comprado um corpo de cãmera carinho, olho para tudo isso e penso sobre o que fazer, e não desejo mais tanto um fazer que olhado é gostado, quase que busco apenas algo meu, uma visão minha, pessoas que gosto quando são fotos de pessoas, imagens que gosto querendo colocá-las em parede. Na minha parede, inicialmente, porque nenhuma imagem desse tipo que não aceite colocar na parede posso supor boa para outros.

Há nisso muitos enganos, e eu me engano. Ontem lutei para imprimir uma fotografia que me parecia boa na tela. A imprimi num bom papel A4, depois a imprimi grande, num bom papel A3. Bom papel para testes, não para final, é claro. Mas ao olhar a impressão maior, ao ensaiá-la na parede usando uma moldura genérica que uso para isso, vi-me desinteressado na fotografia. A boa para a tela é uma coisa boba para a parede, vistosinha mas sem permanência maior. Aceito meus enganos. Tento aprender com eles, confesso que ainda estou longe de aprender e para mim não é claro quando uma ficará boba e outra, que parece na tela quase sem força, ficará como desejo e suficiente para existir na parede.

Isso seria ingenuidade minha? Talvez um pouco, mas o fato de julgar a fotografia pela sua existência em papel e não a visão na tela, isso não julgo ingenuidade, embora seja, reconheço, menos episódios de julgamento devido à menor quantidade de impressões.

Estou numa fase engraçada. Não quero mais um monte de coisas, quero outras. Quero uma fotografia simples, poucas lentes usadas, pouca projeção futura. Não quero afirmação de uma fotografia, mas pura e simplesmente tentar fotografias que o olho possa suportar por dez anos sem enjoar-se, mesmo que no início ela pareça pouca. Isso, neste mundo de tantas imagens, é uma espécie de Yoga, de meditação nas imagens, na fotografia, no seu próprio olhar, em como olha, em como separa algo do mundo para existir no retângulo representado.

Por paradoxal que seja, essa etapa sem planos, sem convicções afirmativas, essa etapa que parece um enfraquecimento na verdade é vivida com calma, com tranquilidade, com prazer visual, especialmente naquilo realmente buscado.

Anúncios

5 Respostas

Subscribe to comments with RSS.

  1. Parede é cruel.
    As paredes são as assassinas da efemeridade virtual.

    Clicio Barroso Jr.

    17 de janeiro de 2013 at 1:34 pm

    • risos – São, são de fato assassinas. E nós vivemos vendo muito a coisa virtual, o que nos educa para ela, é difícil prevermos -pelo menos para mim, que mais reconheço do que prevejo- a autonomia existencial de uma imagem.

      Grande abraço, Clicio

      Ivan de Almeida

      17 de janeiro de 2013 at 3:11 pm

  2. Até quando a busca por ‘fotos de parede’ não são busca por fotos que, outros também vendo, gostarão?
    E aí, a nossa busca não poderia ser o agradar alheio?

    peridapituba

    17 de janeiro de 2013 at 10:24 pm

    • Claro, Peri. O que colocarmos na parede e fizermos para tal é algo que terá como objetivo criar o belo para ser visto, sem dúvida. Minha questão aí é que percebo certas fotos na tela me parecendo belas, mas copiadas grandes são nada. E percebo outras belas, mas não daquela forma bela capaz de palmas recebidas na rede, embora impressas grandes são de uma espécie capaz de me envolver a vendo na parede por muito tempo.

      Ivan de Almeida

      17 de janeiro de 2013 at 10:34 pm

      • Olha, isto daí é fogo …
        Eu fotografai aqueles panning’s que você viu.
        Cara, tem uma foto de um senhor dentro de um fusca que é um barato na tela.
        Quando imprimi ficou uma negação … não funcionou.
        Acho que esta questão de nosso gostar versus serem boas na parede, em algumas fotos, é um mistério, não tem como prever.

        peridapituba

        17 de janeiro de 2013 at 11:02 pm


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s