Fotografia em Palavras

visões sobre a prática fotográfica, por Ivan de Almeida

Composição Geométrica ou Formal – VIDEO-ARTIGO

with 70 comments

Composição Geométrica ou Formal – VIDEO-ARTIGO

Prezados Leitores;

Neste início de março, o Fotografia em Palavras traz uma inovação. O primeiro Video-Artigo. Ainda com muitas falhas resultantes da inexperiência minha nos diversos saberes relacionados com a produção de video, mesmo assim é preciso começar, e a busca da perfeição por vezes impede começar. Desde logo peço aos leitores e agora espectadores deste blog que não se inibam em comentar o Video-Artigo, tanto no conteúdo quanto na forma. Mesmo este artigo agora postado será gradualmente aperfeiçoado, então, provavelmente em uma semana ele estará mais perfeito e completo, e as observações podem ajudar nisso.

O artigo trata de composição, e mais especificamente da composição formal ou geométrica. Está dividido em dois videos, a primeira parte tratando do conceito de composição e de sua dinâmica, a segunda examinando os jogos compositivos mais comuns na fotografia à luz do dito na primeira parte.

Desde já agradeço.

PARTE 1 – Fundamentos, Harmonia, Jogo Compositivo

Versão o2 da Parte 1 – atualização em 9 de março de 2011

nova compactação de video em FLV com imagem muito melhorada; diminuição em 10% da duração com retirada de redundâncias; retirada das transições em Fade; aprimoramento dos textos de apoio e acréscimo de alguns.

Parte 2 – Os jogos do Retângulo Fotográfico

Versão 02 da Parte 2 – atualização em 13 de março de 2011

nova compactação de video em FLV com imagem muito melhorada; diminuição em 5% da duração com retirada de redundâncias; retirada das transições em Fade; aprimoramento dos textos de apoio e acréscimo de alguns; introdução de imagens ilustrativas.

Anúncios

Written by Ivan de Almeida

8 de março de 2011 às 12:04 am

70 Respostas

Subscribe to comments with RSS.

  1. Parabéns pela iniciativa. Gosto da maneira como vc coloca suas idéias.

    Jozé de Abreu

    8 de março de 2011 at 12:52 am

  2. Olá Ivan,

    Primeiramente parabéns pela iniciativa da criação desses vídeo-artigos. Gostei bastante do formato que você fez. Além do conteúdo que achei bastante pertinente e que me ensinou muito.
    Gostaria de deixar alguns comentários sobre o que achei e espero que ajude na evolução dos vídeos.

    . Você poderia deixar a câmera (webcam?) posicionada mais próxima a onde você está olhando, para dar uma sensação maior que você está falando “conosco”. Ia ajudar, também, se ele estiver mais para baixo. Achei que a imagem está muito inclinada.
    . Gostei do fato de colocar no canto superior direito as notas mais importantes. Mas senti falta; não sei se é viável fazer o que vou dizer; de imagens de exemplos quando você comenta sobre a geometria dentro do retângulo.

    Acho que é isso.

    Parabéns e um abraço!
    Denis Monteiro

    Denis Rocha Monteiro

    8 de março de 2011 at 12:58 am

    • Obrigado Denis.

      O segundo item, isto é, ilustrações principalmente referentes às divisões do “retângulo vazio” serão colocadas nos próximos dias e já estavam planejadas, mas confesso a você que a agonia para conseguir concluir e colocar no ar, e a luta contra a inexperiência foi tanta que fiz apenas o essencial, porque é mais ou menos fácil depois aperfeiçoar e gravar uma segunda versão (e aí trocar no blog). Minha idéia é as ilustrações flutuarem no mesmo lugar onde estão aparecendo os textos.

      A posição da câmera e o cenário… bem, fui pelo caminho de menor resistência também nisso. Peguei o biombo da sala para não precisar arrumar meu escritório e ter um fundo interessante, mas você tem toda razão e no futuro vou buscar melhores “cenas”, mais interessantes e com mais profundidade.

      Agradeço novamente o comentário, útil e incentivador,
      Abraços
      Ivan

      Ivan de Almeida

      8 de março de 2011 at 1:05 am

  3. Ivan, gostei deste primeiro artigo porém também senti falta de exemplos das “regras” de composição geométrica. Você poderia utilizar uma folha de sulfite com os desenhos ou até mesmo fotografias em papel em que se notasse a utilização da composição centralizada, diagonal, no terço, etc.
    Parabéns pela iniciativa.

    Fabio Yamauti

    8 de março de 2011 at 2:03 am

  4. Agora que li teu comentário sobre colocar as ilustrações no próximo artigo (ainda não estava postado quando comecei escrever). Legal, com os exemplos ficará mais completo.

    Fabio Yamauti

    8 de março de 2011 at 2:05 am

    • Não no próximo artigo, Fabio, e sim nesse mesmo reformado. Este artigo ainda tem alguns aperfeiçoamentos, e à medida em que os for fazendo vou substituindo o endereço do video (ou seja, substituo o video versão 1 pelo versão 2).
      Obrigado e um grande abraço

      Ivan de Almeida

      8 de março de 2011 at 2:12 am

  5. Ivan,
    Parabéns pela iniciativa.
    Falar sobre a visualidade das coisas, sem mostrá-las não é fácil. mas você conseguiu.
    Vou recomendar aos meus alunos de fotografia do curso de Design.
    Abraço

    opelosi

    8 de março de 2011 at 2:39 pm

    • Olicio;
      Muito obrigado.
      Haverá uma versão 2 e talvez até uma versão 3 desses videos nos quais inserirei os gráficos ilustrativos. À medida em que essas versões sairem, substiturei no própiro blog cada parte pela sua versão mais atual, de modo que daqui a uma semana ou 15 dias o artigo estará mais completo e redondo.
      Da forma atual, ele favorece o ouvinte que já tenha uma conceituação compatível.
      Um grande abraço
      Ivan

      Ivan de Almeida

      8 de março de 2011 at 2:52 pm

  6. Ivan,

    Parabéns pela iniciativa. Os vídeos precisam de um pouquinho mais de polimento, mas em geral estão dinâmicos, didáticos e compreensíveis, o que acredito seja a intenção primordial.
    Como todos os outros comentaristas, senti falta de pistas visuais para facilitar a conceituação, por mais básica que ela seja.
    No geral, excelente, mais uma vez parabéns!

    Abraços,
    Clicio

    clicio

    8 de março de 2011 at 8:40 pm

    • Clicio;

      Muitíssimo obrigado. Você está sendo muito gentil ao dizer que eles precisam de um “pouquinho” de polimento -risos.

      Agora, depois de “parir” de qualquer jeito, estou estudando o editor de video decentemente com um manual em PDF e fuçando algumas coisas só de brincadeira. O engraçado é percebermos logo quanta coisa deixamos de fazer.

      As imagens de apoio, é claro que são necessárias. Isto é dívida pura e simples, e não imperfeição de não saber. Vou corrigir isso ainda neste video, provavelmente até o fim de semana vindouro.

      Grande abraço
      Ivan

      Ivan de Almeida

      8 de março de 2011 at 8:54 pm

  7. Muito bom! Show!

    Diego Jordão

    8 de março de 2011 at 9:53 pm

  8. Olá Ivan, prazer em te ver.

    Muito bom o artigo. Aproveitei bastante.

    Dicas para os VIDEOS: NÃO use Web-Cam, use uma filmadora mesmo, fades em excesso tormam incomodo acompanhar, talvez poucos cortes secos funcionem melhor.

    Espero ter ajudado um pouquinho a quem sempre se preocupa em dividir seu conhecimento.

    Um forte abraço

    Luiz

    Luiz Laercio

    8 de março de 2011 at 10:09 pm

    • Luiz;

      Muito obrigado pelo comentário.

      Sobre a filmadora, acho que não é necessariamente por aí, pois embora uma mfilmadora seja melhor, os requisitos desse tipo de filmagem são baixos. Nesses videso, qualidade da imagem não está boa por dois motivos: a brutal compactação para caber em 100mb cada e a qualidade desta compactação/redução (no que tange a essa última questão, estou estudando como fazer direito -riisos). O video original tem qualidade de imagem muito boa, e esta webcam parece-me mais que suficiente para esse tipo de coisa. Quando à observação sobre o excesso de fades, nisso você tem toda razão e é uma observação muito pertinente e útil para o futuro. Obrigado. Depende de gravar trechos coesos de certo tamanho, e é um aperfeiçoamento para os próximos.

      Editei seu comentário retirando dele os links sobre composição -que agradeço, contudo.

      Grande abraço.

      Ivan de Almeida

      8 de março de 2011 at 10:20 pm

  9. Ivan,

    – Muito bom em conteúdo apresentado, sem dúvida.

    – Bom em apresentação no formato escolhido (video), bem editado.

    – Ruim em escolha do formato. Ficou desnecessariamente longo: 25 minutos (aprox.) para apresentar um tópico que certamente você conseguiria em passar em (bem) menos de 10 de leitura de um artigo.

    Para mim é melhor o formato de artigo (texto/foto), acho mais produtivo.

    Marcelo

    9 de março de 2011 at 1:44 pm

    • Muito obrigado, Marcelo. Suas opiniões são valiosas e contributivas, e preciso muito deste feedback. Vou comentar abaixo dentro de minha visão e propósito.

      Não sei se por escrito é mais fácil passar o assunto, na verdade acho que não é, que o video é mais eficiente. Contudo, para o video ser obviamente mais eficiente é preciso corrigir certas coisas e melhorar sua comunicabilidade, e aceitei pagar o preço das imperfeições para começar, pois do contrário nunca se começa. Não se pode julgar o potencial do meio por esta primeira experiência na qual optei sempre pelo mais fácil de fazer -e mesmo assim tenho tido boas respostas de aceitação.

      Você abordou algo importante que foi o tamanho. Vi o video várias e várias vezes, é claro, e minha impressão é haver algo como 20% de redundância direta podendo chegar a 1/3 de redundância geral. Contudo, Marcelo, como já dei aulas e já fiz palestras, sei que alguma redundância é necessária, porque se passarmos de ponto em ponto muito rapidamente a pessoa não fixa os pontos. Nesse sentido o video é diferente do texto, porque o texto a pessoa pode voltar para ler um parágrafo anterior, mas dificilmente volta o video. De todo modo, uma roteirização mais perfeita talvez pudesse ter reduzido o video a 15 ou 18 minutos. Grosso modo, o conteúdo deste video equivale a 2 artigos escritos de tamanho médio-grande, e se postasse um artigo do tamanho necessário muita gente não o leria por grande demais.

      O Fotografia em Palavras continuará a ter predominância de artigos escritos, mas pretendo pelo menos uma vez por mês postar um video. Creio que os próximos já serão mais redondos, porque a curva de aprendizado inicial é muito vertical e parti praticamente do zero.

      Muitíssimo obrigado,
      um grande abraço
      Ivan

      Ivan de Almeida

      9 de março de 2011 at 2:09 pm

  10. Postada agora a segunda versão da Parte 1, aproveitando, entre outras, a observação do Luiz Laércio sobre e eliminação do Fade entre takes (de fato ficou muito melhor) e eliminando redundâncias de narração que em uma primeira passada chegavam a pouco mais de 10% da duração total. Também foi muito aperfeiçoada a qualidade da compressão, sendo gerado diretamente um arquivo FLV compatível com o YouTube a partir do editor de video.
    Agradeço a todos os que comentam e comentaram. A parte 2 está igualmente em processo de aprimoramento com inserção de imagens ilustrativas.
    Ivan

    Ivan de Almeida

    9 de março de 2011 at 5:47 pm

  11. Parabéns Ivan.

    Ficou legal e, obrigado por disponibilizar o teu tempo (certamente bem mais do que os 25 minutos de vídeo) para auxiliar o pessoal que gosta de fotografia compartilhando o que conheces neste novo formato.

    Guaracy Monteiro

    10 de março de 2011 at 1:31 pm

    • Esse seu avatar natalino é ótimo!

      Obrigado, Guaracy.

      Ao falar sobre composição fotográfica estou sendo leal ao assunto ao qual me dedico agora já há mais de 30 anos: a compreensão dos processos de percepção. Por isso a composição é para mim tão importante, porque ela é um efeito (sua agradabilidade) e não pode ser um efeito mágico, um efeito sem causas, então é preciso delinear as causas dela funcionar. E entendendo as causas ganha-se poder de usá-las.

      Desde sempre preocupei-me com isso. É um assunto que atravessa todas as práticas de criação visual, desde a arquitetura (e não por acaso, no mestrado trabalhei sobre isso na arquitetura), e venho nesses 30 anos construindo certa quantidade de respostas que tenho a impressão não estarem disponíveis por aí, pelo menos da forma em que as tenho organizadas.

      O video consumiu-me muito mais de 25 minutos de trabalho, como os textos também consomem um bom tempo para produção. Mas eu adorei fazer, achei vivo, complexo, divertido, embora muito cansativo em certos momentos.

      Já comecei a conceber o segundo artigo, que será sobre o mesmo tema abordando um trecho deste artigo no qual as pessoas parecem não terem se dado conta de ter havido um pulo teórico, que é a razão pela qual os encaixes são favoráveis à percepção. Isso merece um video-artigo, o qual provavelmente terá o nome de “E, porque o olho difere muito de uma câmera fotográfica…“.

      Obrigado e um grande abraço
      Ivan

      Ivan de Almeida

      10 de março de 2011 at 1:49 pm

  12. Gostei muito de sua iniciativa e do assunto escolhido. Se sua intenção era nos deixar com gosto de quero mais, conseguiu! rsrsrs. Quero ver logo os capítulos seguintes!
    Tudo o que falaram até agora é pertinente e suas avaliações sobre os comentários foram ótimas. Não pare, tenho certeza que só irá melhorar. Se puder, acrescente exemplos visuais o quanto antes. Parabéns!

    Sergio Ronaldo

    10 de março de 2011 at 2:58 pm

    • Muito obrigado, Sergio.

      Adorei fazer o video (é claro, com momentos praguejando porque não conseguia fazer algo que pretendia -risos). Adorei a forma, o modo de fazer, a comunicabilidade. Já começo a pensar no próximo e o aprendizado conquistado nesse certamente o fará bem melhor. De todo modo, a Parte 02 desse ainda receberá, até o fim de semana, a complementação dos desenhos ilustrativos e uma nova compactação do video para melhorar a imagem.

      Grande abraço
      Ivan

      Ivan de Almeida

      10 de março de 2011 at 3:04 pm

  13. Muito bom o artigo, mas se me permite vou fazer uma sugestão: inclua, se não for muito incômodo, os botões de compartilhar ao fim dos posts (like do facebook, tweet do tweeter etc) para facilitar a vida de quem quer divulgá-los. Obrigado!

    leandromise

    11 de março de 2011 at 8:25 pm

    • Leandro;
      Muito obrigado, e a sugestão é ótima, embora não sei se saberei fazer -risos. Vou pesquisar como se coloca tais botões. Caso você não tivesse dito, nem saberia ser isso possível.
      Um grande abraço, agradeço muito o comentário e a sugestão.
      Abraços
      Ivan

      Ivan de Almeida

      11 de março de 2011 at 8:35 pm

      • Fabio Yamauti

        11 de março de 2011 at 11:22 pm

      • Fabio, o problema é que há dois WordPress. o org e o com. O com, que eu uso, é hospedeiro de blogs gratuitos e com limitadas funcionalidades, limitações que incluem não poder editar o código. O org é outra história, ele fornece o código WordPress para instalarmos um blog em um endereço nosso, ou seja, o código fica no hospedeiro do site.

        Os plugins mencionados são para o org.

        Continuo pesquisando, mas foi o que compreendi até agora.

        Ivan de Almeida

        11 de março de 2011 at 11:28 pm

  14. Boa Ivan, bem melhor de acompanhar.

    Luiz Laercio

    11 de março de 2011 at 10:14 pm

    • Sua opinião sobre as transições em fade foi muito valiosa, Luiz, porque é o tipo da coisa que eu não pensaria sozinho.
      Amanhã ou depois vou reformar a segunda parte na mesma linha e acrescentar alguns desenhos ilustrativos.
      Muito obrigado.

      Ivan de Almeida

      11 de março de 2011 at 10:32 pm

  15. Fabio Yamauti

    11 de março de 2011 at 11:45 pm

    • Consegui!

      Em tempo: com agradecimentos especiais ao Leandro Mise que me indicou a possibilidade de acrescentar botões de compartilhamento e ao Fabio Yamauti que sugeriu-me formas de fazê-lo, as quais, embora não dando certo, me fizerem perseverar buscando. na verdade é bastante fácil e faz parte das funcionalidades do WordPress.com, em Configurações>Partilhar (Settings>Sharing). Nessa aba do painel de controle de cada blog há a opção de inserir esses botões de compartilhamento.

      Agradeço novamente aos dois e a todos os que vêm me indicando formas de melhorar este post.

      Ivan de Almeida

      12 de março de 2011 at 12:46 pm

      • Rapáz … estes blog’s tem tanta coisa que temos de ser uns nerd’s virtuais para saber todas as funcionalidades e formas de compartilhamento e etc etc etc.
        Sou quase um analfabeto nestas paradas.
        Fiz uns troços pro meu, vamos ver se funciona. -rs

        peridapituba

        12 de março de 2011 at 11:22 pm

      • Peri, por isso mesmo acredito em começar de qualquer jeito e ir aperfeiçoando.

        Ivan de Almeida

        12 de março de 2011 at 11:47 pm

  16. Olá Ivan!

    A exposição é bem didática, você tem desenvoltura para falar, porém, por questões óbvias (primeira experiência e tudo mais), ainda demonstra pouca intimidade com o público. Sintoma disso é que, em 20 minutos, você dá apenas um sorriso, no final do segundo vídeo, e isso lhe imbuiu de certa leveza.

    A edição, tenho certeza, será aprimorada paulatinamente.
    Em alguns momentos, percebi a imagem descolada do áudio e, em outros, as mãos pareciam em câmera lenta.
    As legendas são muito funcionais, talvez fosse o caso de colocá-las naquelas “quebras” do vídeo, serviram como espécie de capítulos, enfim, não sei, é só uma especulação.
    Acho dispensável avisar que vai concluir (ex. 7:50 do 2o. vídeo), até porque você avisa que vai concluir, mais ainda fala 4 ou 5 min. depois. Mas conversar com o público, explicar a natureza do vídeo, logo em seguida, achei bem legal.

    Incomodou-me um pouco o fundo escuro (um biombo de madeira), uma camisa também escura e algumas sombras. A imagem, no geral, ficou muito escura, só você claro.

    No início do primeiro vídeo, o papel atrapalhava um pouco, mas, em menos de 40 segundos, você colocou-o no colo e melhorou absurdamente.

    Enfim, observações redundantes diante do valor da iniciativa.

    Espero por mais vídeos.

    Ah, comentário totalmente irrelevante: você parece mais jovem no vídeo do que fotos.

    M. Garcia

    13 de março de 2011 at 12:58 am

    • Obrigado, Mili.

      Foram dois sorrisos -risos. Tem um logo no iníico do segundo video…. Mas de todo modo, o objetivo é expor certas coisas, é mais parecido com uma palestra em tipo de produção. Quando aviso que acabou, na verdade acabou o assunto, isto é, o escopo do artigo é aquele já exposto. Mas em seguida faço uma recapitulação porque penso que a comunicação falada precisa maior redundância que a escrita, pela natureza fugidia da palavra falada. Mas concordo com você que isso poderia ser anunciado de outro jeito.

      Algumas soluções foram decorrentes da linha de menor resistência adotada para concluir. Quando percebi que teria de arrumar meu escritório para gravar, preferi pegar o biombo da sala e fazer o fundo, era mais rápido e me dava um fundo uniforme.

      Enfim, Mili, é do jogo -risos. Se ficasse aperfeiçoando muito não saía.

      Obrigado (e com ênfase por dizer que pareci mais jovem…).
      Ivan

      Ivan de Almeida

      13 de março de 2011 at 1:09 am

      • 2 kkkk, não contei o primeiro porque foi mais tímido.

        Compartilhei no facebook e também funcionou, você já viu né.

        M. Garcia

        13 de março de 2011 at 12:59 pm

      • Tinha de contar o primeiro também…
        Obrigadão, Mili

        Ivan de Almeida

        13 de março de 2011 at 1:15 pm

  17. Ivan, funcionou! Compartilhei no meu Facebook, veja lá.
    Abraços

    Fabio Yamauti

    13 de março de 2011 at 12:10 pm

    • Agradeço novamante, Fabio. Era mais fácil do que parecia…
      Abraços

      Ivan de Almeida

      13 de março de 2011 at 1:15 pm

  18. Ivan,
    Antes de postar meus comentários dei uma lida nos anteriores para não repetí-los, e achei nos comentários do Luiz e da Mili o que pretendia destacar, havendo pouco a acrescentar:
    – procure ficar numa posição em que olhe para quem o assiste (boa parte do tempo vc aparece olhando um pouco ou muito para baixo);
    – se vc conseguir decorar o texto (como um ator, hehe…), fluirá melhor; não vejo problema em “colar” um pouco, mas deixe o papel fora do quadro (a menos que o papel fosse usado para ilustrar – você desenhasse nele);
    – que tal mudar o fundo marrom e a blusa preta? Pensei que ninguém fosse comentar isso… A composição ficou lúgubre. A bagunça do quarto pode conter uma harmonia (rs);
    – a ideia do vídeo é ótima e, com a inserção de imagens, ele se justificará.
    Abs.

    Maria Villela

    13 de março de 2011 at 5:39 pm

    • Muito obrigado, Maria.

      Sua opinião era uma que eu queria ouvir porque tem um saber sobre cinema. Creio que as opiniões têm convergido e acho que todos estão certos, e eu também estou certo -risos. Porque quando começamos algo precisamos fazer, precisamos de um ponto de partida. Precisamos aceitar a imperfeição inerente à ausência de competência específica. Então, fazer sabendo que ficará imperfeito exige certa coragem, porque é exibição do que nos falta.

      Mas, com tudo isso, o primeiro artigo tem sido muito bem recebido, e a própria disposição das pessoas em colaborar e apontar as falhas mostra isso. Creio que no assunto tratado o video-artigo é bastante profundo e é um assunto onde há pouca boa teoria, muito chute e muitas receitas de bolo, e só isso, ele ser um artigo de teoria, já dá a ele algum lugar.

      Já imagino muitas coisas para um segundo artigo -cenário, fundo, gráficos demonstrativos-, porque nele já terei superado um patamar básico de ignorância minha . Mas é assim mesmo, vamos escalando degrau a degrau.

      Muito obrigado,
      Beijos
      Ivan

      Ivan de Almeida

      13 de março de 2011 at 6:00 pm

  19. Ops, comentários do Denis e da Mili…
    Abs.

    Maria Villela

    13 de março de 2011 at 5:48 pm

  20. Ivan,
    Gostei muito. Mesmo sendo iniciante em fotografia pude acompanhar perfeitamente toda a explanação.
    Diferente dos demais, gostei do cenário e dos tons escuros, especialmente à direita, onde os textos e imagens foram colocadas. Isso deu um destaque maior à sua figura e deixou o espaço adequado para as inserçoes.
    Concordo com os demais comentários, especialmente quanto ao papel e ao olhar para a câmera..
    Fico aguardando os próximos.

    Daniel Esser

    15 de março de 2011 at 1:44 pm

    • Obrigado, Daniel;

      Creio que na parte de conteúdo e explanação o artigo flui bem, e quanto ao fundo escuro é minha preferência essa iluminação meio flamenca, mas isso também foram escolhas na base do caminho de menor resistência, caminho mais fácil.

      Abraços,
      Obrigado

      Ivan de Almeida

      15 de março de 2011 at 8:04 pm

  21. Ivan,

    Como problema, acho que você passa um certo nervosismo, o que trava um pouco o andamento do discurso, coisa extremamente compreensível em função de ser seu primeiro contato com esse tipo de midia.

    Por outro lado o conteúdo ficou muito claro. E o mais importante: deixou um gostinho de quero mais muito forte. E desde já estou esperando a continuação… e não precisa demorar muito… pode ser com biombo, no escritório desarrumado, num estúdio lá no Jardim Botânico, na praia…

    Obrigado por compartilhar conosco sua experiência.

    marcos borges filho

    17 de março de 2011 at 10:33 am

    • Olá, Marcos;

      Obrigado pelo comentário. Mas não é nervosismo, estou bastante acostumado a falar para público, já dei aulas, fiz palestras, etc. Provavelmente você menciona a narrativa na qual por vezes procuro palavras ou expressões, e tomou isso por nervosismo. Concordo com você sobre a necessidade de polir isso, que em uma palestra ao vivo é menos visível, mas na gravação bastante notado. Ocorre que escrevi um roteiro, não escrevi o artigo, ou seja, eu não lia o artigo apenas olhava nas folhas o encadeamento do assunto, e a partir disso as soluções de narrativa vinha na hora. Mas no próximo prestarei mais atenção a isso, talvez ensaiando mais e editando mais. Tudo isso, ensaiar e editar foram etapas imprecisas pela inexperiência.

      Seu comentário quanto à clareza da exposição é dessas coisas ótimas de ler, porque me indica ter cumprido o objetivo principal. Provavelmente o próximo será também sobre composição e creio que trará coisas bem atraentes.

      Um grande abraço,
      Ivan

      Ivan de Almeida

      17 de março de 2011 at 11:41 am

  22. Obrigado por disponibilizar tempo (muito) e conhecimento com a gente. Acredito que as principais falhas já foram mencionadas.
    Esta “aula” me lembrou muito algumas aulas de estética que tive e principalmente um afresco: “A escola de Atenas” de Rafael, nele é possível ver praticamente todas as formas de composição que você mencionou.
    Nao foi um comentário especialmente útil, mas pelo menos serve a título de curiosidade.

    rafael

    21 de março de 2011 at 6:58 pm

    • Ao contrário, Rafael, é muito útil essa ligação por você mencionada, porque dá ao dito o fundamento da experiência humana em estética.
      Um grande abraço,
      Muito obrigado,
      Ivan

      Ivan de Almeida

      21 de março de 2011 at 7:27 pm

  23. Ivan, muito bom esse primeiro video-artigo. Espero ansioso que crie harmonia com esse formato e produza bastante material.

    Como houve poucas inserções visuais para ilustrar o conteúdo, coloquei o vídeo em paralelo a outras atividades. Fiquei mais atento ao áudio. Muito bem narrado. Não me incomodou em momento algum e pude acompanhar tranquilamente… olhando ocasionalmente os exemplos no video.

    Como um nerd assumido, gostei especialmente da introdução sobre Harmonia. As pessoas tem esquecido de entenderem os alicerces e se apegam apenas a fachadas.

    Keep Talking…

    Luiz Lage

    22 de março de 2011 at 12:34 am

    • Obrigado, Luiz. Provavelmente o próximo será sobre percepção e composição e entrará mais detalhadamente nos processos da percepção visual ligando-os à composição geométrica.

      Ivan de Almeida

      22 de março de 2011 at 1:18 am

  24. Olá mais uma vez, caro amigo

    Ao rever o video artigo, fiquei com algumas duvidas: Tudo não acaba se resumindo na Proporção Áurea ou na espiral de Fibonacci. Inclusive as paralelas e outras formas que voce citou?

    Abração

    Luiz Laercio

    22 de março de 2011 at 1:54 am

    • Não. É possível criar encaixes com qualquer proporção, desde que se saiba jogar com ela, isto é, desde que ela seja tranformada em um jogo de encaixes. A Série de Fibonaci, cujos pares divididos um termo pelo outro tendem ao Número de Ouro, é uma dinâmica de encaixes, um caso particular. A própria proporção áurea é um caso particular, um caso particular interessantíssimo, mas não resume a questão.

      Luiz, o próximo artigo talvez traga algumas dessas informações. Creio que o processo de ver uma fotografia ficará melhor esclarecido.

      Ivan de Almeida

      22 de março de 2011 at 2:11 am

      • Aliás, o Le Corbusier demonstra isso nos seus livros onde descreve seu processo de composição de fachadas, mostrando os jogos de proporcionamento que fazia, vários e vários deles completamente distintos da lógica da Razão Áurea. Cito especialmente o livro Por uma Arquitetura (Vers une Architecture) no qual dá para ver claramente (porque ele indica e demonstra) jogos de relacionamento entre parte e todo. Como disse no video-artigo, composipção geométrica é uma preocupação que perpassa todas as artes visuais, então é importante ver como cada uma lida com isso. Na fotografia é difícl ver porque a composição geométrica fica encoberta pela camada simbólica, a camada de representação.

        Ivan de Almeida

        23 de março de 2011 at 1:08 pm

      • Legal. Aguardo o próximo video, espero que não demore e que, como de costume, surpreenda. Por enquanto vou lendo aqui e ali. Tentarei achar o livro citado ou algo dele na internet.
        Abração

        Luiz Laercio

        23 de março de 2011 at 4:41 pm

  25. Só uma idéia: Quando mostrar as imagens que servem de apoio acredito que você possa deixar elas, na maioria dos casos, ocupar toda a tela…. Um fenômeno que aconteceu comigo foi o seguinte: comecei a ver o vídeo, como vi só você sentado, deixei tocando o som enquanto via outras coisas na net (tive que voltar o video várias vezes por causa disso)…. se houvesse imagens logo no inicio da aula eu teria ficado mais focado no video

    Sou da opinião de quanto mais imagens melhor (até imagens de exemplos de coisas harmonicamente ruins), é claro que também sei que é bem mais difícil de fazer assim.

    Vi que foi usado texto para destacar as partes importantes, uma técnica bastante usada por ai é associar com um som (claro que precisa ser feito de forma discreta para não chamar a atenção para o SOM)

    Mesmo depois dos cortes ainda sobraram algumas coisas que precisam ser limadas (como o tempo que você fica buscando palavras)

    Uma ultima dica seria usar um formato mais parecido com vlog, onde é usada uma linguagem e uma edição que aproxima mais de uma conversa do que de uma aula.

    Em todo caso estou muito agradecido e espero que venham mais e mais videos, desculpe escrever de qualquer jeito, mas tive que usar o tempo livre aqui do trabalho. Parabens pela iniciativa

    Rafael

    24 de março de 2011 at 7:24 pm

    • Bem, Rafael…

      Algumas coisas são possíveis, outras não. Há um equilíbrio entre o apuro e o fato de ser feito sem remuneração, e isso limitará certos aspectos técnicos, é inerente à proposta. Um video desses não pode me custar muito mais que um fim de semana, e cada uma dessas coisas apontadas por você me custaria aumentar o tempo de produção. O que tento é oferecer um conteúdo, conteúdo esse que seja suficientemente interessante ao espectador para sustentar o video, e as outras coisas são somente complementos.

      Há coisas que definitivamente não serão feitas, como adicionar som em passagens, etc, porque transformaria a estrutura de video-palestra e constituiria acréscimo de trabalho sem nenhum benefício para o conteúdo. Outras serão feitas, como por exemplo ilustrações de tela inteira. Já o fato de procurar as palavras provém de eu não ler um texto, há apenas uma estrutura base e a dicção é como uma palestra ao vivo. Caso fosse regravar cada parte onde procuro palavras o trabalho multiplicar-se-ia imensamente. E caso fosse decorar um texto desse tamanho, idem.

      Uma das coisas que aprendi na vida é que é melhor fazer algo com imperfeições, mas que transmita o principal, do que procurar fazer algo muito bem feito que imponha um trabalho impossível de casar com a vida normal. Prefiro fazer, esta é minha opção. Haverá melhoramentos futuros, mas nunca com o objetivo de produzir perfeitamente, o que seria feito, é claro, se fosse atividade remunerada. Espero que a maioria dos que viram consiga obter da explanação a sua utilidade, apesar dos limites de produção inerentes à proposta.

      Obrigado,
      Ivan

      Ivan de Almeida

      24 de março de 2011 at 7:59 pm

  26. Adorei a aula. Mas em termos de vídeo, acho que você ficou muito preso ao texto escrito… O propósito do vídeo seria trazer algo além do texto que ainda ficou muito discreto.

    Desculpa se pareci um pouco tecnico demais. Mas é que eu estudo isso, tenho um pouco dessa mania. E como você se diz ainda novo nisso, acho que poderia ser interessante esse olhar…

    Augusto

    25 de março de 2011 at 6:31 pm

    • Augusto;

      Muito obrigado pela observação. Basicamente um video-artigo é uma palestra, coisa na qual tenho alguma prática, e, ao contrário do que parece devido aos papéis, não havia nenhum texto escrito, havia só um roteiro ou itemização de assuntos que eu seguia para assegurar que o artigo tivesse fio e pavio, mas seguia desenvolvendo os assuntos na hora. O propósito destes video-artigos nunca os fará muito diferentes deste, sempre serão palestras com algumas ilustrações, contudo a forma de tratar as ilustrações será melhorada, mas sem tentar transformar o video-artigo em um programa de televisão nem em algo em que o video em si seja mais do que o conteúdo. Concordo com você que as possibilidades do video são maiores, e as aproveitarei. Considerando que este conteúdo, pelo tamanho e pelo tipo de explicação, exigiria mais de dois artigos escritos extensos e relativamente exigentes, creio que o formato da narrativa ajudou bastante a assimilação, mesmo assim pouco desenvolvido.

      Meu propósito é melhorar, mas não exatamente mudar o formato. Melhorias na forma das ilustrações, melhorias no encadeamento da narrativa, no cenário, na montagem, enfim, melhorias que mais aperfeiçoarão o formato do que o mudarão.

      Grande abraço
      Ivan

      Ivan de Almeida

      25 de março de 2011 at 8:17 pm

  27. Ivan, acompanho seus textos há algum tempo e sempre julgo-os maravilhosos. Você é super didático e escreve muito bem. Os vídeos rambém estão ótimos. Como diz uma amigo meu, agora falta “a perfumaria”…rs. Um grande abraço.

    Manoel Bueno

    Manoel Bueno

    27 de março de 2011 at 12:55 am

    • Manuel;

      Muito obrigado. Embora neste video a falta das perfumarias -risos- seja quase absurda -é um video seco- ainda assim creio que o formato video ajudou, porque um assunto tão grande escrito seria muito difícil de escrever e exigente para ler. A grande maioria dos comentários fala sobre essa falta de melhorias cosméticas, e cá entre nós, penso que todos têm muita razão quanto a isso, embora pense que eu também tenho razão de ter feito um primeiro assim, do contrário não o faria.

      O que buscaria nos próximos é a dose de melhramentos que possa ser atingida sem comprometer o principal, e sem tornar o video-artigo um trabalho de semanas. Penso que há como melhorar muito com coisas simples como um cenário, melhor gestão das imagens (e melhor preparação delas também).

      Muito obrigado, e um grande abraço
      Ivan

      Ivan de Almeida

      27 de março de 2011 at 2:04 am

  28. Muito bom Ivan, gostei da forma como abordou o assunto, espero que continue o assunto, esta questão da harmonia e regras, você soube colocar muito bem. Parabéns.

    Abdo

    28 de março de 2011 at 12:32 am

  29. Olá Ivan, tudo bem?

    Primeiro gostaria de lhe parabenizar pela empreitada. Foi uma surpresa ver este 2 vídeos, a uma por poder “conhecê-lo” visual e virtualmente, pois sempre que conversávamos -deatíamos- era por meio de formulários; a duas por poder ter uma noção mais incisiva sobre o tema.

    Claro que como muitos já disseram, esta empreitada carece de alguns pequenos ajustes, mas também temos que ter em mente que não se trata de um vídeo profissional, concebo-o mais como um bate-papo sobre o que amamos, a fotografia.

    Siga em frente e nos brinde com seus conhecimentos.

    Forte abraço

    Ricardo Lou

    PS: Se for possível use mais o recurso de exemplos visuais, isso ajudará o entendimento a aqueles que são da área de humanas, rsrs!!!

    Ricardo Lou

    1 de abril de 2011 at 11:40 pm

    • Você entendeu perfeitamente a proposta, Ricardo, não fazer um “programa de televisão”, mas sim uma palestra ilustrada. Provavelmente, devido a outras coisas agendadas na “vida normal”, o próximo video será em maio, e espero que seja uma boa complementação desse. Pelo assunto necessitará de exemplos visuais para ser entendido/demonstrado.

      Grande abraço,
      Ivan

      Ivan de Almeida

      1 de abril de 2011 at 11:47 pm

  30. Ivan,

    Parabéns pela idéia e execução.
    Percebemos boa evolução entre o 1º e 2º artigo na edição e andamento. Texto direto e sem redundâncias desnecessárias.
    Acho que pode ter uma pouco mais de apoio visual para o acompanhamento das idéias e conceitos discutidos.
    Grande abraço e aguardemos os próximos.
    Mr. Hyde

    Mr. Hyde

    3 de abril de 2011 at 10:23 pm

    • Obrigado;

      Na verdade não são dois artigos, são duas partes do mesmo artigo com edições um pouquinho diferentes.

      O próximo creio que será em maio, porque é um projeto um pouco mais trabalhoso -ainda sobre o mesmo assunto- que exigirá ilustrações muito bem definidas.

      Ivan de Almeida

      3 de abril de 2011 at 11:04 pm

  31. Muito bom o vídeo, Ivan. Fico aguardando a sequência.
    Parabéns pela inciativa.

    Guto Vilaça

    4 de abril de 2011 at 4:37 pm

    • Obrigado, Guto. O próximo de fato será seqüência deste, e acho que será muito legal -dará mais trabalho também -risos. Provavelmente em maio.

      Abraços

      Ivan de Almeida

      4 de abril de 2011 at 6:24 pm

  32. Amigo!!!

    vc está de parabéns pela suas explicações , descobri por um acaso esse site e achei maravilhoso…todo dia verificarei se terá novos artigos e explicações …eu aho que o cenário , a qualidade do video, etc …não importa muito ,para mim está ótimo, pois o importante , foi aprender toda a explicação …como sou amador em fotografia, …. pra mim foi de imenso valor todo o conteúdo do site e das explicações…mas gostaria se possível (como alguns disseram) para eu entender mais fácil ainda, de que usasse exemplos de imagem dentro da explicação do tema relacionado, nem que seja preciso usar papel sulfite ou uma fotografia de mão …não se preocupe se vai ficar bom ou não , o importante é nós que estamos assistindo entendermos …pois muita pessoas tenho certeza que estão aprendendo com vc…parabéns mesmo!!!

    é de pessoas como vc , que fazia anos que estava a procura , pois muitos , não entendem que fotografia é “arte” … que na fotografia existe uma complexidade visual, existe sensibilidade , emoção no que vemos …

    O que os olhos não vê, o coração não sente ..não é pessoal ??

    Parabéns Ivan…vc ganhou mais um fã …todos os dias verei esse site agora

    um grande abraço!!!

    Leandro

    Leandro Freire

    6 de abril de 2011 at 7:09 am

    • Muitíssimo obrigado, Leandro;

      Como já expliquei a outros, este foi o primeiro video-artigo, e é natural que tenha uma precariedade maior que, espero, seja superada nos próximos.
      A periodicidade de atualização deste blog não é curta, gira em torno de 15 dias até pouco mais de um mês. Provavelmente o próximo video será colocado aqui em maio, porque té meio de maio estou envolvido em um assunto pessoal que não me permite dedicar-me a fazê-lo. Até lá, contudo, deve ser postado mais um artigo escrito, provavelmente a complementação do artigo sobre fotografia em PB.

      Abraços

      Ivan de Almeida

      6 de abril de 2011 at 12:01 pm

  33. Caro Ivan, bom dia. Independentemente dos eventuais problemas técnicos ou de postura, o conteúdo está ótimo. Quando teremos a parte 3? Abraço e parabéns.

    Marco

    Marco Gonçalves

    27 de abril de 2011 at 12:36 pm

    • Marco;

      Muito obrigado. Provavelmente em final de maio haverá um novo video. Tenho alguns compromissos/tarefas pessoais importantes até 15 de maio que me impedirão de produzir qualquer coisa, mas a continuação já está sendo pensada. Caso eu a consiga fazer como penso, acho que será um artigo muito elucidativo que complementará esse dando uma profundiade muito maior à compreensão do assunto.

      Abraços

      Ivan de Almeida

      27 de abril de 2011 at 1:25 pm


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s